EnergiaInternetRadioamadorismo

Sem Satélites: O Que Aconteceria com a Internet em uma Tempestade Solar?

Vamos explorar uma situação hipotética intrigante: e se todos os satélites parassem de funcionar devido a um evento solar? Naturalmente, surge a pergunta: como isso afetaria a internet? 

Bem, em primeiro lugar, é importante entender que uma interrupção completa na comunicação via satélite não seria impossível, mas improvável. Embora um evento solar de grande magnitude possa causar perturbações significativas na conectividade à internet, especialmente em regiões altamente dependentes da comunicação via satélite, a estrutura terrestre da internet continuaria funcional em grande parte. Isso significa que algumas conexões locais e regionais poderiam permanecer intactas, dependendo do impacto exato do evento solar. A internet é como uma teia de aranha resiliente – se houver falhas em algumas partes, ela ainda pode encontrar caminhos alternativos para a conexão. 

No entanto, é inegável que a falta de satélites teria ramificações. Muitas comunicações globais dependem fortemente de satélites, especialmente para transmissões intercontinentais. Sem eles, haveria uma mudança para uma maior dependência em cabos submarinos e outras formas de conectividade que não estão sujeitas aos caprichos do espaço. Isso poderia resultar em lentidão na internet e possíveis interrupções em serviços como GPS e transmissões de televisão. Embora a infraestrutura terrestre possa lidar com parte dessa carga adicional, uma sobrecarga temporária seria inevitável. 

Quando olhamos para o futuro, especificamente para 2024, há previsões preocupantes sobre a intensidade das tempestades solares. A última vez que a Terra enfrentou uma tempestade solar tão poderosa foi em 1859, o famoso Evento Carrington, que causou estragos significativos no sistema de telégrafos da época. Portanto, é evidente que um evento solar de grande magnitude poderia ter um impacto considerável na conectividade global e nos serviços que dependem da tecnologia espacial. 

Quanto à previsão dessas tempestades solares, os cientistas têm feito progressos notáveis. Monitorando cuidadosamente a atividade solar, eles podem prever eventos como ejeções de massa coronal (CMEs) e erupções solares que desencadeiam tempestades solares. A Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA (NOAA) prevê que o ciclo solar 25 atingirá seu auge entre janeiro e outubro de 2024, durante o chamado “máximo solar”, quando a ocorrência de tempestades solares é mais provável. No entanto, a precisão dessas previsões ainda tem suas limitações, e os avisos geralmente são dados com apenas 18 a 24 horas de antecedência, devido à complexidade da previsão da velocidade e trajetória das partículas solares. 

Em contraste, como radioamador que sou, sei que as tempestades solares têm seu lado positivo. Durante o máximo solar, a atividade solar intensa beneficia os radioamadores, pois a ionosfera da Terra se torna mais propícia para a propagação de ondas de rádio de alta frequência (HF). Isso permite comunicações de longa distância, conhecidas como DX, que são emocionantes e desafiadoras para os entusiastas. Durante esses períodos, as bandas de frequência mais altas, como os 6 metros (50 MHz), podem experimentar condições de propagação excepcionais, possibilitando comunicações que normalmente seriam impossíveis. Essas surpresas inesperadamente boas aumentam a satisfação dos radioamadores, tornando o hobby ainda mais emocionante quando o Sol está em alta. 

Com mais operadores e países envolvidos, o radioamadorismo se torna uma comunidade vibrante durante esses períodos de alta atividade solar, oferecendo experiências únicas e inesquecíveis de comunicação. 

Ao se deparar com os mistérios e desafios do espaço, o mundo da comunicação, tanto via internet quanto através do rádio, revela sua notável resiliência e adaptabilidade. Vida que segue.

Oliveira – py2gs
Santos SP

py2gs

Graduado em Informática para Gestão de Negócios pela Fatec-BS. Pós-graduado em Administração Pública pela UGF. Aposentado do Serviço público Federal, Casado, 2 filhos e uma neta. Mora em Santos Litoral de São Paulo. Radioamador Classe A, prefixo py2gs antigo py2add.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 7 =