MODOS DIGITAIS EM 11 METROS – É POSSIVEL?

Por PU2TBR – ROBERTO MARCONDES MORGADO

 

Fonte: http://pxjf.blogspot.com.br/2014/10/modos-digitais-em-11-metros-e-possivel.html

Os Modos digitais estão se tornando cada vez mais populares nas bandas amadoras.
Entretanto, a cada dia essa modalidade onde não se aplica o uso da voz humana vem sendo adotada também no espectro de 11 Metros (27 MHZ). Claro que isso não é exclusividade de nós, brasileiros. Países da Europa, Asia, Oceania e Américas do Norte e Central, além da Oceania, vem experimentando e colocando em prática o uso dos Digimodes, assim denominados, e com isso, aprimorando os contatos diante das condições da propagação. Mas, antes que eu prossiga com essa “novidade” para os Onzemetristas, amantes do DX, mas com pouco dominio em outros idiomas, vou tratar do assunto de forma peculiar, com relação a identificação de cada modalidade, sua identificação através dos tons audíveis, e com certeza, da disponibilidade dos respectivos programas para seu uso.
O CONCEITO ATUAL DOS MODOS DIGITAIS
Existem inúmeros modos de comunicação disponíveis para o uso de operadores do Serviço de Radioamador, além da conhecida fonia e do secular CW. E em um simples sintonizar do VFO, temos acesso a essas recepções, em um conjunto de sinais sonoros que para um leigo no assunto, aparentam ser emissões propositais. Mas, em uma busca rápida pelo “oráculo da Web” (leia-se Google), podemos esclarecer que se tratam de contatos em modalidades distintas, algumas até se assimilam com o próprio CW, mas possuem suas próprias características de codificação e decodificação, que o próprio ouvido humano é incapaz de decodificar, devido a velocidade e a compreensão da combinação de sinais. e para que o operador tenha acesso a compreensão de entender esses sinais, é necessário o uso de aplicativos específicos, e de uma interface que faça a comunicação entre o transceptor e o PC.
Para os radioamadores mais experientes, essa modalidade já é bastante conhecida, e sua prática, bastante difundida nas bandas as quais são autorizados para operar.Entretanto, existe uma questão sobre a legalidade do uso de modos digitais na banda de 11 Metros.É permitido ou não?
Bem… Na legislação Brasileira há sim, menções que privam o usuário de efetuar transmissões ilegais – além daquelas efetuadas em frequências diferentes modo Split), de usar a potência acima da permitida, de usar equipamentos não autorizados, de utilizar o serviço sem ser devidamente licenciado, enfim… É fato que irá aparecer este ou aquele inquisidor com a lei impressa em um papel de pão, dizendo e redigindo o texto que diz, bem claramente: “referente ao uso de radiotelefonia…” Infelizmente, esquecem do caráter científico para aqueles que se interessam no assunto, além do caráter inter-cultural, mas isso é uma questão que prefiro não adentrar a respeito…vejo apenas a s questões acima referidas.Sugiro a estes, o incentivo no conceito de “estabelecer contatos a longa distância, e estreitar os laços de comunicação entre Nações”. Simples assim.
Esclarecida essa dúvida, voltemos ao assunto…
Muitos operadores do Serviço de Radioamador também se utilizam dos modos abaixo mencionados, porém, o acesso as frequencias de uso são mais extensas, o que na banda de 27 MHz, eles são limitados a um espectro muito curto – justamente pelo fato de não interferir com contatos efetuados em Fonia, lógico.
PSK, ou Phase Shift Keying tornou-se o mais popular dos modos digitais mais recentes. Há uma riqueza de informações na web sobre BPSK (Binary PSK) e QPSK (Quadrature PSK)
Porque PSK31 tem uma largura de banda de apenas 31Hz, muitos sinais podem encaixar-se na mesma largura de banda que seria ocupada por um sinal SSB (2.4kHz aprox.). É bastante comum ver 15 ou mais sinais em um display  de cachoeira com espectro de 2.5kHz.
20m ocupado 2
Um sinal BPSK31 ‘clean’. Esta é a forma como o seu sinal deve olhar!
psk31-4_102x135
Aqui estão alguns dos sinais BPSK31 que são muito distorcidos. Este distorcimento é reduzindo na entrada para a placa de som ou reduzido no nível de saída com o intuito de melhorar a qualidade deste sinal. Note-se que apesar de alguma forma a partir do sinal adjacente à esquerda, o sinal distorcido é suficientemente grande para causar interferência para o outro sinal.
PSK31-bad_166x109
ruim PSK31
Aqui vemos uma estação que tem um sinal instável. Uma transmissão estável e “limpa” é vital ao usar modos estreitos como PSK31 e é uma variante de modo a não causar QRM em estações próximas. Mais adiante eu explicarei como evitar estes transtornos.
PSK31-bad2_507x95
O modo PSK63 ganhou muita popularidade, com muitos programas agora apoiando deste modo. O lado positivo para este modo é o fato de que os dados são enviados e recebidos em duas vezes a mais que na taxa do PSK31 normal, por isso é ótimo para conversar em trocas do concurso. O lado negativo a este modo são o aumento da largura de banda necessária se comparado ao PSK31, o aumento da potência necessária para manter o mesmo nível de cópia como no PSK31 e que nem todos os programas possuem suporte a ele.
Os sinais recebidos em PSK63 podem ser identificados facilmente, pois se assemelham com os sinais de PSK31, porém com uma espessura maior.
psk63_85x139
Outras variações são o PSK31, o PSK16 (que possui metade da largura de banda e velocidade do PSK31), o PSK125 (possui 4 vezes a largura de banda e velocidade) e outras variações experimentais, tais como PSK10 (que pode ser encontrado no programa MultiPSK) e até mesmo  o PSK250. A outra variante comum do BPSK31 é QPSK31, (o “Q” representa a “quadratura”, ao invés do habitual B que é ‘binário’ Fase de Deslocamento Keying), que é lateral dependente (ou seja, o transmissor e o receptor devem estar usando a mesmo lateral), mas não é de uso comum apesar de sua habilidade de decodificação ser superior durante más condições atmosféricas.
qpsk63
Aqui está uma foto do Waterfall em QPSK63 (o mais largo dos sinais. Se você compará-lo com o sinal BPSK63 acima, e também sobre a esquerda da foto você pode ver, parece haver mais informação contida no mesmo sinal, este é a maneira fácil de diferenciar o QPSK do BPSK.
PSK31 e 63
Esta imagem mostra a diferença entre a largura de banda entre os modos PSK31 e PSK63. O PSK63 possui o sinal mais amplo.
pks125 e 31
Aqui podemos ver a diferença entre um sinal em PSK31 e um sinal em  PSK125. O PSK125, embora muito mais rápido, tem 4 vezes a largura de banda e exige quatro vezes o poder para o mesmo s / n proporcional a um PSK31. É um grande modo, quando as condições são boas e os sinais são fortes, especialmente nas faixas mais altas, onde há mais espaço.
O SSTV tem sido popular por muitos anos, embora a grande maioria nos dias de hoje ele seja gerado por computador. Os modos mais comuns são Martin e Scottie. O Modo Robot ainda tem uma sequência. A maioria dos programas de SSTV que operam com esses modos assimilam entre si. As imagens recebidas são construídas linha por linha ao longo de quase um minuto, o que exige do operador, uma certa paciência até a sua conclusão. A qualidade pode ser muito boa, inclusive em percursos de longa distância. Aqui estão duas imagens recebidas  – a mais alta é do Havaí (KH6AT) e  a  inferior é da Suécia (SM7UZB).
sstv
kh6at
sm7uzb
Este é, sem dúvida, o Pai de todos os Modos digitais. RTTY (pronuncia-se ‘Ritty’) tem sido em torno de muitos, muitos anos o mais conhecido e ainda é tão popular. Anos atrás, a única maneira de se operar em RTTY era usar uma unidade terminal mecânica, como a série Creed 7, que eram grandes, barulhentas e confusas. Nos dias de hoje, praticamente todos os RTTY são feitos através  da combinação do PC/Placa de som. Radioamadores utilizam a velocidade de 45 baunds, com mudança de 170Hz (entre a marca e o espaço). Estações comerciais usam 50 ou 100 baud com turnos de 425Hz ou mesmo 850Hz. A maioria dos softwares operam para velocidades e turnos diferentes. Diferentemente da maioria dos modos digitais,o RTTY é transmitido em LSB.
rtty_120x75
MFSK é semelhante ao sistema Piccolo comercial. MFSK é muito bom em condições de propagação pobres. A variante usual de MFSK é MFSK-16, mas outros tipos, tais como MFSK-8 estão em desenvolvimento, juntamente com outros modos semelhantes aos MFSK (tais como Domino). O MFSK é lateral dependente, por isso você deve ter o seu receptor definido para a banda lateral correta, a fim de decodificá-lo corretamente.Também a sintonização é bastante crítica, embora  o AFC ajude um pouco. A imagem superior é de um sinal MFSK-16 e a imagem inferior é de um sinal MFSK-32 (que como você pode ver é quase 500 Hz de largura, duas vezes maior que um sinal MFSK-16).
mfsk2_106x109
MFSK32
O modo MT63 é muito robusto e oferece 100% de cópia quando outros modos de falha. As vantagens e desvantagens, porém, são a largura de banda e a velocidade. O MT63 é bastante lento e ocupa de 500Hz a 2kHz de largura (o que é muito menos do que um único canal de voz). Devido à grande largura de banda, o MT63 é normalmente confinado a Banda de 14MHz e acima, onde existe espaço suficiente para acomodá-lo.
mt63 long2_308x85
Hellschreiber (ou Hell, como é vulgarmente conhecido) é um pouco diferente da maioria dos outros modos de dados. Ao receber um sinal de Hell, seus olhos fazer a filtragem! O texto decodificado é exibido em uma tela de “papel picado” (como mostrado na imagem). O Hell tem um som muito característico ‘de ralador’ e é um modo de banda estreita.
O sinal  Hell está do lado esquerdo da imagem (com a bandeira verde acima dele), com um sinal de MFSK à direita, note-a largura de banda necessária para o sinal MFSK comparado com o sinal do Hell. Até mesmo os sinais fracos podem ser decodificados como sua combinação de olho / cérebro pode “preencher as lacunas”, onde o sinal se desvanece.
Aqui está uma Waterfall de um sinal em Hell, juntamente com uma decodificação (mostrando como ele aparece na tela)
feld inferno 2feld inferno
Caixas de correio HF, utilização de pacotes para transmitir mensagens para os usuários. A taxa de dados de costume em HF é de 300 bauds, com 1200 e 9600 baud sendo sua utilização mais comum em VHF e UHF. A imagem mostra uma caixa de correio / BBS na Turquia negociando com uma BBS no Reino Unido. A pequena explosão na parte inferior do quadro é cabeçalho de informações e indicativo, enquanto o sinal mais expandido são os dados reais.Vários desses pacotes BBS / caixas de correio podem ser ouvidos o em torno dos 14.1MHz.
packet2_131x75
Caixas de correio HF também utilizam o  PACTOR para encaminhar mensagens para os usuários. O PACTOR teve uma má publicidade recentemente, principalmente devido às ações de alguns operadores irreverentes que aparentemente estão causando interferência deliberadamente para os usuários existentes das sub faixas digitais. Eu não posso comentar sobre isso, como eu não experimentei isso pessoalmente. A imagem mostra o sinal PACTOR tentando estabelecer contato. Uma vez estabelecida a comunicação, a transmissão de dados pode começar, pois o PACTOR utiliza correção de erro, o que pode levar um bom tempo para enviar uma mensagem particular ao longo de um caminho menos do que perfeito, mas a estação transmissora vai continuar tentando até que a mensagem seja recebida perfeitamente. A imagem é de um sinal PACTOR-1, no entanto, existem PACTOR-2 ,3 e variantes, mas estes requerem hardwares codificadores / decodificadores.
pactor_140x86
THROB (ou Pulsar) é um dos modos digitais mais recentes e embora possa ser ouvido, é longe de ser tão popular como outros modos, como o PSK-31 ou RTTY. Tal como acontece com os outros modos, existem várias variações de modo – THROB, THROB-2 e THROB-4 . A diferença entre eles é com relação a velocidade. O THROB é na verdade, um modo bastante lento e, portanto, provavelmente, bastante resistente aos efeitos do desvanecimento etc., embora leve muito tempo para concluir um contato. Haja paciência.
throb1-1_76x111throb2 - 16_78x108throb4_99x102
 Da esquerda para a direita: Throb 1 ; Throb 2 ; Throb 4 (clique em cada tipo de ouvir os diferentes sons).
Olivia é relativamente novo modo digital e parece ser extremamente resistente ao desbotamento e QRM. Podemos obter a cópia completa em estações que estão quase inaudíveis (mesmo os que se desvanecem a quase zero parecem ainda transmitir bem). Tal como acontece com outros modos, o Olivia tem diversas variantes, cada uma com uma largura de banda diferente (de 500Hz a 2kHz) e número diferente de tons. O Olivia pode ser muito lento (na ordem de 2-3 caracteres por segundo), mas um contato lento é melhor do que nada! Nas imagens abaixo, o Modo OLIVIA 8/250 indica 8 tons sobre uma largura de banda de 250 Hz e o modo 32/1000 é de 32 tons mais de uma largura de banda de 1 kHz. Para evitar a interferência a outras estações, que é habitual para iniciar uma transmissão em Olivia numa kHz completa (ou seja, ao invés de 14.108.0 14.108.3 por exemplo).
olivia
Aqui estão algumas fotos da cachoeira de alguns outros modos de Olivia:
Olivia 8-250
Olivia 32-1000
Contestia é outro modo novo de ser encontrado nas bandas de amador. Não é, ainda, muito popular e até agora eu ouvi apenas uma estação transmitindo deste modo. Mais uma vez eu incluí um arquivo de som e uma captura de cachoeira, de modo que você pode ver, ouvir e poder identificar sua transmissão. Esta imagem é de um sinal Contestia 4-250 de RW3AS em 20m.
contestia
JT6M é um modo especializado encontrado na suíte de software WSJT (de Professor Joe Taylor, K1JT) projetado para sinal fraco de trabalho (tais como EME-Moonbounce e Meteor Scatter). JT6M é o modo preferido para MS e esporádica E e pode ser ouvido em torno da Banda de 6 Metros (50.230MHz). Tenho feito alguns monitoramentos recentemente usando o JT6M e ter visto decodificações completas a partir de estações que não eram audíveis por mim, que eu acho que é bastante impressionante.
JT6M
Semelhante, em princípio, para os sinais de transmissão DRM ouvido nas bandas de transmissão de Ondas Curtas. O DRM é um modo muito experimental, no momento, com os principais expoentes de ser encontrado em 80 Metros (3733kHz). Eu não tive muito sucesso com este modo ainda, apesar de ter bons níveis de sinal. Os sinais precisam ser muito limpos e fortes, a fim de decodificar. As imagens podem ser enviadas usando DRM, mas o tempo vai dizer a respeito de como e se este modo crescerá em popularidade. Abaixo está uma Waterfall sob o prefixo DD9ZO que, infelizmente,não era forte o suficiente para decodificar. Este modo não parece ter decolado da mesma maneira que os outros, principalmente, acredita-se que devido ao fato de que ele requerer um barulho muito forte e um sinal livre, a fim de decodificar. Ele é muito parecido com DRM de Broadcasts. Infelizmente, a desvantagem com este modo em comparação com a maioria dos outros modos digitais é que o sinal seja totalmente legível ou não copiável ao todo.Com sinais analógicos (e alguns modos digitais) geralmente você pode preencher os espaços em branco quando você percebe o desvanecimento ou ruído no sinal, também são copiáveis quando estão quase inaudíveis. Alguns modos mais recentes não funcionam muito bem em níveis de sinal em que estão dentro ou abaixo do limite da audição humana (WSPR por exemplo, que é o modo que só tem acesso em torno de alguns meses, mas, infelizmente, é um modo que de alguma maneira, é um modo de baliza em vez de um modo de “conversação”).
drm2
Se você sintonizar em 14.233 MHz, poderá muito bem ouvir um sinal estranho que soa muito parecido com os sinais HAM DRM mencionados no tópico acima.Este será um dos novos modos de SSTV digitais.
Como todos os modos de DRM, o Digital SSTV produz excelentes, imagens livres de distorção/ruídos, que podem ser em alta definição. Contudo, para que isto ocorra, o sinal recebido tem de ser muito forte e relativamente livre de ruído, etc. Se o programa perde qualquer parte do sinal, devido a um pico de ruído ou uma breve desbotamento, toda a imagem é perdida. Esta é a grande desvantagem deste modo em HF, ele realmente é tudo ou nada. O software que estou usando para decodificar este modo é chamado de ‘EASYPAL’ e está disponível a partir http://www.qslnet.de/member/hb9tlk/ . Se você não quer transmitir uma imagem, você pode enviar mensagens de texto curtas no “Waterfall”. Eu não usei este programa muito, então não sei todos os prós e contras, mas é bom para ser capaz de decodificar esta nova modalidade. Abaixo está uma Waterfall de um sinal HDSSTV (visualizado no programa MixW)
hd sstv-4
Exemplo de texto em cascata recebeu EasyPal
hd sstv-5
Imagem Digital / HD SSTV recebido em 14.233MHz em agosto de 2010
100813142255-Clip1
As imagens são de qualidade impressionante, uma vez que são digitais, não há vestígios de ruído, QSB ou qualquer um dos outros problemas que afetam o modo SSTV, que possui imagens analógicas. A desvantagem é que, neste modo, você pode obter a imagem inteira, ou absolutamente nada – indiferente do tempo de transmissão ser bastante longo. Você precisa de um sinal forte e limpo, a fim de usar o HDSSTV, mas vale a pena. Há algumas fotos recebidas que infelizmente não posso mostrar neste blog, por serem bastante “picantes” ao mostrar as mulheres em vários estados de nudez – agradável aos olhos do sexo masculino, talvez, mas não é realmente adequado para rádio amador.
111219183345-ScreenHunter_07 Sep1
111219223939-9l1ovc1
E aqui estão algumas de 20m:
111219155219-Clip1
111219154924-Clip1
Outra opção nova para os modos que podem ser decodificados por muitos pacotes de software diferentes. Domino é um outro modo que utiliza MFSK (Multi-Frequency tecla Shift Keying). O MFSK envia dados utilizando diversos tons diferentes, enviados um de cada vez. Tal como acontece com “MFSK normal”, ele tem excelente desempenho, mas foi desenvolvido especificamente para lidar com as condições barulhentas de HF inferiores.Para mais informações e detalhes técnicos, visite:
Tal como acontece com os outros modos MFSK (como MSFK16, THROB, Olivia etc.) o Domino é usado com parâmetros diferentes, a melhor variante do modo a ser operado é dependente das condições da banda.
 domino1 - 8_109x121domino1 - 16_169x106domino2 - 8_111x102domino2 - 16_175x108domino3_169x95DominoEx
Acima, à esquerda para a direita:
DominoF 1-8; 16/01; 08/02; 16/02, Domino 3 e por último DominoEX. No entanto DominoEX (clique para ouvir arquivos de som) tem substituído DominoF. Como DominoF, DominoEX tem uma infinidade de variantes para atender às diversas bandas / condições ..
Thor é um novo modo e está intimamente relacionado com DominoEx. É um modo extremamente robusto e é bem adequado para as condições de sinal fraco em HF. A única portadora de amplitude constante é intensificada entre 18 freqüências de tons de uma forma constante de fase. Isto significa que não há produção de bandas laterais indesejadas, e que não requer o mesmo tipo de requisitos de linearidade como alguns modos (PSK, em particular). Os tons variam de acordo com um algoritmo de compensação que assegura que não há tons sequenciais, e que sejam os mesmos ou adjacentes em frequência, aumentando consideravelmente a resistência à interferência de multi-caminho e efeitos Doppler. O Thor, como outros modos semelhantes, possui uma variedade de velocidades e tons para escolher, dependente das condições da banda e os níveis de sinal.Os modos são Thor-4, 5, 8, 11, 16 e 22. As velocidades variam à equivalencias de 14wpm até 78wpm para Thor 22. e larguras de banda variam de 173Hz até 524Hz.
.
THOR 16 melhor 2
Esta é uma garra cachoeira de um sinal de Thor 16.
JT65 foi desenvolvido originalmente como parte do modo de sinal fraco WSJT, incluido no pacote do software desenvolvido por Joe-K1JT. O JT65 também podem ser decodificado por outros softwares, como o MultiPSK. A captura de tela abaixo foi retirado do MultiPSK.
O JT65 é mais usado em bandas de HF, especialmente em torno de 14.076MHz e 21.076MHz, dentre outras. Sinais que são praticamente inaudíveis podem ser decodificados perfeitamente, portanto, seu desempenho é excelente nas bandas de HF ruidosas. A taxa de transferência é lenta, como são a maioria dos modos que se destacam em baixa decodificação de sinal.
JT65A em multipsk 2
JT65 2
JT65 1
jt65hf1.07
Esta é uma captura de tela de um outro programa JT65. Este é JT65-HF por W4CQZ, um decodificador livre que é escrito especialmente para aqueles que, como nós, gostamos de  brincar com JT65 nas bandas de HF. A interface é fácil de usar e fácil de configurar. Ele vai decodificar vários sinais ao mesmo tempo e armazena os resultados em um arquivo CSV (valores separados por vírgulas e texto) para análise posterior. Outro recurso útil é que, como DM780, ele envia pontos para o site PSK Reporter e eles são exibidos em um mapa. Você pode analisar no sistema para exibir todos os pontos de vistas por qualquer particular, indicativo etc. Como você pode ver na imagem acima, o JT65 funciona muito bem em HF e eu ouvi os sinais de todo o mundo a partir de estações utilizando equipamento bastante simples e baixo consumo de energia. Também os relatórios de programa para a rede RB (baliza inversa), que é encontrada em: www.jt65.w6cqz.org/receptions.php .
A imagem acima mostra as estações no Brasil, Reino Unido, Holanda e Rússia asiática, tudo na tranqüila banda de 10 Metros.
JT65 grab
Esta imagem mostra os pontos de uma estação receptora enviada à rede do PSK-Reporter durante um período de 24 horas, usando JT65A. Como vocês podem ver, todos os quatro cantos do mundo foram ouvidos. Há algumas estações ativas da África, principalmente na África do Sul (ZS) e não é raro ouvir-los – no entanto, nenhum deles era ativa, então este screenshot foi tirado.
Para fazer o download da versão mais recente do software (v1.093), clique AQUI .
Esta introdução é retirado de Joe Taylor (K1JT) ‘s WSPR 2.0 guia do usuário online. WSPR (pronunciado “whisper”) significa “Weak Signal Propagation Reporter”. O software WSPR é projetado para sondar potenciais caminhos de propagação de rádio usando transmissões de beacon como baixo consumo de energia. Sinais WSPR transmitem o indicativo, GRID Locator, e nível de potência usando um formato de dados compactado com forte correção de erros e de banda estreita com modulação 4-FSK. O protocolo é eficaz no sinal-para-ruído proporções tão baixas quanto -28 dB em uma largura de banda de 2500 Hz. Possui a opção de receber estações com acesso à internet, o qual pode fazer upload automaticamente de relatórios de recepção para um banco de dados central.
Para obter informações mais detalhadas sobre WSPR e para baixar os programas, consulte o website WSPR ou o site WSPRnet onde o bancos de dados estão hospedados.
WSPR cachoeira
WSPR tela grab3
Aqui estão as freqüências de uso em USB para WSPR:
Banda
Frequência (MHz)
LF
0.502.4
160m
1.836.6
80m
3.592.6
60m
5.287.2
40m
7.038.6
30m
10.138.7
20m
14.095.6
17m
18.104.6
15m
21.094.6
12m
24.924.6
10m
28.214.6
6m
50.293.0
2m
144.488.0
ROS é um novo modo que está em seu primeiro ano ou dois de uso. ROS usa vários tons de mais de uma largura de banda de 2 kHz ou 500Hz, (as freqüências para cada modalidade / largura de banda são codificados no software que está a causar algum incômodo entre alguns usuários. ROS tem três velocidades principais, 16 baud, 8 de transmissão e 4 de transmissão. Há são alguns modos especiais, como 7BD / 100Hz para 136 e 502kHz (80m e por alguma razão), além de um modo de “EME” para uso em 2m e algumas outras bandas, para o trabalho de sinal fraco, uma vez que tem, pelo menos em teoria, a capacidade de decodificar os sinais que têm um sinal-ruído (SNR) de -35 dB, o que é ainda mais baixa do que WSPR. Há, no entanto, dúvidas quanto à legalidade da utilização do modo de HF na América do Norte, como spread spectrum é não permitido abaixo 222MHz e as autoridades ainda estão indecisas se o modo ROS é SS ou não.
Só o tempo dirá sobre isso. entretanto, uma coisa é certa, de que o modo ROS acaba de ser aceito no padrão ADIF (Amador Data Interchange Format), usada para exportar e importar dados de registro. Também eQSL.cc (o centro de troca de QSL eletrônico) atualizou seu sistema de aceitar ROS QSO.
ROS v5
ROS 500Hz-4
ROS 16

As fotos acima são tomadas a partir do programa de ROS, que usa uma cachoeira monocromática. Como a maioria dos softwares, ele também usa uma Waterfall colorida. Abaixo, uma imagem de um sinal de ROS (neste caso, o mesmo que acima, 16 tons / 2000Hz) como visto na cachoeira HRD.

ROS 16-2
Para baixar o software e o guia de Usuário: http://rosmodem.wordpress.com – vale a pena conferir lá, pelo menos semanalmente, como novas versões estão sendo lançadas com freqüência em resposta a solicitações de usuários de recursos etc. (a última versão é v 7.0. 8). Aqui estão as últimas frequências, a partir de maio de 2012. Nota: estes são consideravelmente diferente da versão anterior que apareceu nesta página.
QRG
BAND
136 kHz
2190m
500 kHz
600m
1840 kHz
160m
3583 kHz
80m
3585 kHz
80m
3587 kHz
80m
3589 kHz
80m
5367 kHz
60m
7040 kHz
40m
7044 kHz
40m
7046 kHz
40m
7048 kHz
40m
10132 kHz
30m
10134 kHz
30m
14101 kHz
20m
14103 kHz
20m
14116 kHz
20m
14118 kHz
20m
18107 kHz
17m
18111 kHz
17m
21110 kHz
15m
21115 kHz
15m
24916 kHz
12m
24926 kHz
12m
27635 Mhz
28185 kHz
11m (CB)
10m
28295 kHz
10m
50245 kHz
6m
144.160 kHz
2m
144.980 kHz
2m
432.097 kHz
70 centímetros
EM QUAIS FREQUÊNCIAS EXISTE ATIVIDADE DE MODOS DIGITAIS?
Após uma longa pesquisa, e meu fiel Hannover BR-9000, verifiquei as seguintes frequencias, onde ocorre atividades de modos digitais:
  • 27.500 MHz (USB): Contatos em PSK-31, Olivia, RTTY, THOR, CW, Contestia, dentre outros.
  • 27.635 MHz (USB): Contatos em ROS ( Europa, Asia, Oceania, Americas)
  • 27.700 MHz: SSTV, DRM, HDSSTV
No próximo post, disponibilizo os demais links para os demais modos que exemplifiquei aqui.
73 a todos!
ROBERTO MARCONDES MORGADO

py2gs

Graduado em Informática para Gestão de Negócios pela Fatec-BS. Pós-graduado em Administração Pública pela UGF. Aposentado do Serviço público Federal, Casado, 2 filhos e uma neta. Mora em Santos Litoral de São Paulo. Radioamador Classe A, prefixo py2gs antigo py2add.

4 comentários em “MODOS DIGITAIS EM 11 METROS – É POSSIVEL?

  • 06/07/2017 em 8:11 pm
    Permalink

    Gostaria de saber se o amigo tem os esquemas de ligações do px pro pc pra usar os modos digitais

    Resposta
    • 07/07/2017 em 8:57 am
      Permalink

      Eu não tenho. 73

      Resposta
  • 15/03/2016 em 11:15 am
    Permalink

    SRs :
    Não estou nada familiarizado com esse assunto.
    Estou tentando entender.
    grato!

    Alberto

    Resposta
    • 16/03/2016 em 11:36 am
      Permalink

      Tudo que é assunto novo deve se dedicar tempo para entrar na mente. Vá aos poucos, ok?
      Eu também demorei.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − quatro =

Verificando humanidade. *

%d blogueiros gostam disto: