Ondas de Propagação por Reflação

figura 11

As Ondas Curtas dirigem-se em direção a alta camada da atmosfera terrestre, chamada de camada de ionosfera, onde as ondas hertzianas “batem” e retornam novamente à superfície terrestre, figura 11.

O efeito da reflação das ondas hertzianas na camada da ionosfera, foi descoberto por dois cientistas americanos e devido a isto, esta camada passou-se a chamar Camada de Kennelly-Heaviside.

A camada da ionosfera é uma região da parte mais alta da atmosfera terrestre formada por átomos com cargas eletricamente desequilibradas, formando uma nuvem de íons, por isto é chamado de ionosfera. As ondas hertzianas pertencentes a ondas curtas incidem nesta camada e são refletidas retornando à superfície terrestre como se a camada fosse um verdadeiro espelho.

As ondas curtas que se dirigem em direção a essas camadas da ionosfera podem sofrer três situações:
Uma porção da onda penetra na camada e não volta mais à terra, a segunda porcão da onda é absorvida pela camada e a terceira porção da onda é refletida pela camada e retornam à terra, podendo ser captada pela antena do receptor de rádio. Veja a figura 12.

figura 12

A reflação da onda hertziana na camada da ionosfera depende do ângulo que é formado pela onda e a antena que a transmite.

figura 13

Este ângulo é chamado de Angulo Crítico, (figura 13). As ondas que incidirem com o ângulo menor do que o ângulo crítico, penetram na camada da ionosfera e se perdem no espaço, as ondas que incidirem com ângulos maiores, refletem e retornam `a superfície terrestre. Chamamos de ângulo crítico ao valor mínimo do ângulo de incidência para que o sinal transmitido possa “chocar-se” com a camada da ionosfera e refletir voltando à terra.

As condições favoráveis para a recepção em Ondas Curtas depende muito da variação das camadas da ionosfera. As grandes variações das manchas do sol provocam influências na densidade da ionosfera aumentando a absorção da onda hertziana de ondas curtas. Por isto que a sintonia e recepção das estacões de rádio em ondas curtas se torna difícil durante o dia.

A máxima densidade da camada da ionosfera concentra-se durante o dia com o sol a pino, portanto, o ângulo crítico durante o dia é maior do que durante a noite. O ângulo crítico formado pela onda hertziana incidente transmitida, depende da altura e densidade da camada da ionosfera da frequência e de fatores climáticos.

Região de Silêncio

Uma parte do sinal transmitido penetra na camada da ionosfera e se perde no espaço, mas a outra parte do sinal reflete e retorna à superfície terrestre.

Esta onda é refletida novamente na superfície da terra e retorna à camada da ionosfera, e novamente volta à terra, e o processo de reflexão se repete até que o sinal seja absorvido totalmente.

Estas ondas refletidas podem ser captadas pelos receptores em diversos pontos da terra.

Suponhamos que um receptor esteja situado entre a região em que uma onda direta chegar é totalmente absorvida pela superfície terrestre e o ponto onde a onda refletida chega à terra, a possibilidade de sintonizar a estação é praticamente nula, porque nesta região não se encontrará a onda refletida e nem a onda direta do transmissor. A esta região nos chamamos de Zona de Silêncio (figura 14).

figura 14

Podemos então concluir, que a região da zona de silêncio varia de distância conforme ocorre a variação do ângulo de incidência, que o sinal emitido pelo transmissor forma com a vertical à ionosfera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 10 =

Verificando humanidade. *