O mundo não mudou

A cada nova guerra vemos a velha retórica do mal contra o bem onde não se sabe onde está a verdade. De uma coisa sabemos sempre: encontrar as vítimas.

Sem citar os casos mais antigos, recentemente  o mundo assistiu horrorizado a uma guerra onde milhares foram mortos e dezenas de milhares feridos. Vimos isto no Afeganistão e recentemente noticia-se que “Um time de geologistas americanos e oficiais do Pentágono descobriram uma vasta riqueza mineral no Afeganistão, o suficiente para tonar o país empobrecido em um dos centros de mineração mais lucrativos do mundo, de acordo com informações do The New York Times.”[i] Estas riquezas estariam avaliadas inicialmente em um trilhão de reais.

Depois foi a vez do Iraque, onde poderosas armas de destruição em massa seriam capazes de abalar o mundo. Não encontraram nada por lá e ao final das contas ficou tudo por isso mesmo, acabou em pizza. O Iraque detém a segunda maior reserva de petróleo do mundo, perde apenas para a Arábia Saudita. Parece óbvia a justificativa para fazer o que foi feito.

No Irã  está a maior reserva de gás natural que se conhece. O seu campo de South Pars é o maior do mundo. Já faz tempo que estão na mira do império.

Chama atenção que alguns países não submissos sejam invadidos e espoliados até que o governo local seja derrubado e instaurado outro que atenda aos objetivos imperialistas dos EUA e seu velhos e poderosos aliados, velhos não precisa de comentário, mas poderosos, apenas com o poder das armas, já que o poder dos recursos naturais está se esgotando e estes precisam ser adquiridos de uma forma ou de outra,  por bem ou por mal.

A pergunta que não me cala é a seguinte: O que no Brasil temos hoje de tão cobiçado pelos senhores das armas que vem aqui beijar a nossa presidenta?

Uma coisa eu sei ao certo. São obscuras e desconhecidas as razões que levam a guerra, mas de concreto conhecemos bem as vítimas, como este menino Líbio, na foto, que não imagina o que está por traz de sua grande dor e iminente morte.

Gilson Oliveira

 

 

 

py2gs

Graduado em Informática para Gestão de Negócios pela Fatec-BS. Pós-graduado em Administração Pública pela UGF. Aposentado do Serviço público Federal, Casado, 2 filhos e uma neta. Mora em Santos Litoral de São Paulo. Radioamador Classe A, prefixo py2gs antigo py2add.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + cinco =

Verificando humanidade. *

%d blogueiros gostam disto: